02/07/2015

Emily Roebling

Emily Roebling 1843-1903
Emily Roebling foi uma grande colaboradora em um dos maiores projetos de engenharia da história americana.

Quando o marido ficou doente em 1872, Emily assumiu a supervisão diária da construção da ponte. Ela tinha estudado muitos
tópicos de engenharia relativos à construção de ponte, incluindo matemática, resistência dos materiais e construção de cabo. Seu nome está incluso na placa dedicatória da ponte – reconhecendo o seu papel na criação de uma das maiores realizações de engenharia da sua época.

A ponte do Brooklyn estava ainda, uma semana longe de ser aberta ao público quando uma mulher determinada chamada Emily Warren Roebling atrelada a um grupo de cavalos se tornou a primeira pessoa a atravessar a ponte.

Ela trouxe, aparentemente por sorte, um galo vivo. Roebling poderia ter deixado o pássaro em casa. A ponte que ela ajudou a construir era forte e verdadeira. E quando finalmente abriu em 24 de Maio de 1883, milhares de nova-iorquinos felizes fizeram a travessia sob uma chuva de fogos de artifício.

Ponte do Brooklyn e Emily Roebling



Litografia da abertura da ponte de Brooklyn.
Centenas de barcos cruzavam o rio ao mesmo tempo que muitos subiam e desciam o rio, causando congestionamento e perigo. Durante o mau tempo, especialmente durante o inverno, a travessia do rio tornou-se quase impossível. E por estas razões era necessária uma ponte para ligar as duas cidades comerciais. Em fevereiro de 1869, John Roebling, seu sogro, começou a trabalhar no planejamento que se tornaria a construção da ponte de Brooklyn.

Emily se envolveu no projeto da ponte depois que seu sogro morreu e seu marido, Washington Roebling, assumiu o cargo de mestre de obras. A fim de ajudar o marido ao máximo, Emily começou a estudar vários temas relacionados a engenharia civil. Estes temas incluíam matemática, resistência dos materiais, as curvas catenária e construção de cabo. Ela também ajudou seu marido tremendamente com o seu inglês.

Seu primeiro teste real de conhecimento do trabalho de seu marido na ponte de Brooklyn veio na primavera de 1872, quando Washington Roebling ficou doente. Após a doença ele ficou parcialmente paralisado e perdeu a voz. Embora ele não fosse capaz de sair da cama, Washington Roebling queria continuar no comando da construção de seu quarto. A partir deste momento, Emily tornou-se a principal assistente de seu marido.

Convite para as cerimônias de abertura da Ponte do Brooklyn, cerca de 1883.
Como o marido estava observando a construção de longe, Emily fez visitas de inspeção a Ponte do Brooklyn todos os dias. Conforme o tempo avançava, o número de postos de trabalho e tarefas que Emily Roebling assumia aumentou. Ela logo começou a levar suas visitas para seu marido. Respondia às perguntas dos funcionários da ponte, representantes e prestadores de serviços. Diz-se que ela respondeu às suas perguntas tão bem que muitos desses empresários acreditavam que ela era a engenheira-chefe.

Outras tarefas que Emily muitas vezes concluiu, era manter todos os registros, responder os e-mails de Washington; entregar mensagens e solicitações ao escritório da ponte; representando Washington em funções sociais.

Uma das coisas que levou Emily Roebling a fama, resultou quando ela foi representar o marido em um destes encontros sociais. Ela foi a primeira mulher a dirigir a Sociedade Americana de Engenheiros Civis. Nesta mesma reunião ela falou para defender seu marido depois que surgiram dúvidas de sua capacidade para dirigir o projeto da Ponte de Brooklyn. Estas perguntas foram causadas ​​por um aumento no custo estimado e o tempo necessário para completar o projeto.

No momento em que a ponte foi construída, Roebling, com então 40 anos, tornou-se o rosto público do que foi o maior projeto de engenharia da época. Hoje, há uma placa na ponte que lê, em parte:
“dedicado à memória de Emily Warren Roebling 1843-1903 cuja fé e coragem ajudou o marido ferido” .
Ela não ajudou apenas a conectar Manhattan ao Brooklyn, ela forjou um novo rumo para outras mulheres no caminho para a igualdade.

Por isso que falam: “Ao lado de um grande homem, há sempre uma grande mulher”.